Páginas

sábado, 21 de agosto de 2010

Vacinação

Confesso que nessa hora eu fico trêmula, fico nervosa antes de ir, pois soem saber das reações, da picada, eu ficocom vontade de chorar. Espero que isso seja so no começo mesmo porque é uma tortura esse dia. So levo mesmo porque é o jeito. Mas já estou melhorando,e com o tempo a gente vai se acalmando, ainda bem. Então, quando dei a vacina de 2 meses, deu a reação que eu não queria: perninha dele dolorida, vermelha. Coitadinho chorou tanto, fiquei desesperada. Mas depois passei compressa de água fria e foi passando. Ufa.A febre deu mas foi pouca, aí dei paracetamol baby. E por falar nisso, aprendi quenão se deve dar o paracetamol antes da vacina, pois segundo estudos, pode inativar a vacina. Vi que muito médico é a favor, outros contra. Pelo sim , pelo não, preferi não arriscar e so dou depois da vacina, seele tiver febre.

Efeitos colaterais e Pequenas reações às vacinas


Quais os efeitos colaterais?




As vacinas são uma das maiores conquistas do milênio, modificando radicalmente a vida de nossos filhos. Embora existam riscos de efeitos colaterais, estes são baixíssimos. A incidência de problemas é muito rara e todos são menos graves do que os riscos associados à doença. Muitos pais hoje cresceram sem ver as doenças contra as quais vacinamos as crianças, por isso é tão difícil ver por que as vacinamos, sobretudo se a criança tiver febre ou dor nas pernas. Uma pessoa que tenha visto crianças com coqueluche em respiradores, bebês asfixiados por difteria e crianças aleijadas pela meningite bacteriana, sabe o quanto vale uma vacina. Você deve estar a par dos riscos de todos os procedimentos médicos. Eis alguns sobre os quais devemos refletir no caso das vacinas.



Pequenas reações às vacinas



- Febre. A maioria das vacinas pode provocar febre: é um sinal de que o organismo está reagindo à injeção, desenvolvendo sua imunidade. Em geral, a febre aumenta a cada dose subseqüente de uma determinada vacina. Quando ocorrer febre após a vacina, acompanhe o seu aumento. Ligue para o pediatra se a febre subir demais ou se não ceder em um ou dois dias.



- Vermelhidão local. O local da injeção pode ficar dolorido e um pouco inchado. É outro sinal de que a vacina está fazendo efeito, estimulando a reação do organismo. Aplicação de uma compressa morna no local reduzirá qualquer desconforto. Ligue para o pediatra se a área avermelhada ficar grande demais, apresentar pus ou se a vermelhidão não desaparecer depois de dois ou três dias. Às vezes, uma pequena área de dano no tecido adiposo, no local da injeção, pode causar um pequeno caroço, que demora um ou dois meses para desaparecer. Porém, se houver vermelhidão ou sensibilidade no local, ligue para o pediatra.



- Exantema. Às vezes, a vacina cria sintomas semelhantes aos provocados pela doença contra a qual a vacina é administrada. Os sintomas, que podem se desenvolver até duas semanas após a vacina, são muito brandos e, em geral, não são preocupantes.



Possíveis problemas



- Reações alérgicas. São extremamente raras, mas muito graves. Às vezes, a criança alérgica aos componentes usados na vacina, desenvolve uma reação alérgica. Por exemplo, crianças alérgicas a ovos terão problemas com vacinas feitas de vírus desenvolvidos originariamente em ovos. Os sintomas dessa reação alérgica podem incluir urticária e erupções cutâneas pustulentas, chiado, dificuldade de respirar, palidez, tontura ou taquicardia. Tais sintomas surgem alguns minutos ou horas após a vacina. Por isso, é bom esperar um pouco depois da aplicação da vacina; caso surjam sintomas como esse, procure imediatamente o posto de saúde ou a clínica. Se houver histórico de alergia na família, não deixe de informar ao médico antes da aplicação.

Antipirético após vacinação diminui eficácia da vacina no bebê


Administrar paracetamol ao bebé para minimizar os efeitos secundários provocados pela vacina, tais como a febre, pode comprometer a eficácia da imunização, de acordo com um estudo publicado na revista “Lancet”.


Investigadores da Universidade de Defesa, em Hradec Kralove, na República Checa, constataram que o antipirético usado para prevenir a febre após a vacinação impede a produção de anticorpos, objectivo principal da vacinação.

Para chegar a esta conclusão, a equipa liderada por Roman Prymula analisou 260 bebés a que foram administradas as primeiras doses de vacinas contra a hepatite B, difteria, tétano, poliomielite, rotavírus e Haemophilus Influenzae B (bactéria responsável por pneumonia severa e meningite, entre outras doenças). Metade dos bebés recebeu três doses de paracetamol a cada seis a oito horas nas primeiras 24 horas após a vacinação, enquanto a outra metade não recebeu antipiréticos.

Os investigadores observaram que o número de crianças que registou febre superior a 38° era maior no grupo que não recebeu paracetamol. Contudo, verificaram que, nas crianças que receberam paracetamol, este efeito, em princípio positivo para a saúde dos mais pequenos, provocava uma redução no número de anticorpos que o seu corpo era capaz de produzir contra as doenças.

Embora os investigadores não estejam seguros do mecanismo que está na origem deste facto, eles sugerem que a diminuição da imunidade da vacina é provocada pelo efeito anti-inflamatório do paracetamol.

O líder da investigação adverte, por isso, os médicos para que deixem de recomendar por rotina o uso de antipiréticos após a vacinação.


cartilha da vacina


Quem quiser uma cartilha completa sobre vacina,entreno site: http://www.opas.org.br/sistema/arquivos/cart_vac.pdf



Olha aío calendário das vacinas:


Um comentário:

  1. fiquei de coraçao partido ao levar minha filha
    para tomar a vacina dos dois meses , mas todos
    devemos saber que apesar das reaçoes que dao
    alguns dias nao e nada comparado as doenças que
    pode dar se nao for aplicada a vacina.
    Por isso temos que ser responsaveis e pensar no futuro dos nossos bebes , porque eles dependem de nos para ter uma vida cheia de saude e poder ser um adulto perfeito......

    ResponderExcluir