Páginas

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Por que o bebê chora?

O bebê chora quando está com fome, certo? Nem sempre. Mamães zelosas de todo o mundo costumam associar o choro do filho com estômago vazio, e tome peito e mamadeira! Mas o choro pode indicar inúmeras situações, afinal de contas, essa é a principal forma de comunicação dessas pequeninas criaturas.




Não existe uma regra para diagnosticar a causa do choro. Pesquisas desenvolvidas na área não confirmam a teoria de que o som do choro do bebê varia conforme as suas necessidades. Muitos pais, no entanto, acreditam que conseguem identificar diversos tipos de choro e saber se o bebê chora de fome, de dor ou, até, por pura manha.



E, embora decifrar o choro do bebê permaneça um verdadeiro desafio, que mistura intuição, conhecimento e muita percepção, aqui, você encontrará dicas que podem apontar um caminho em meio a tanto barulho...





Por que o bebê chora?

Eis algumas possibilidades e sinais para ajudar a acabar com a choradeira:

• Fome: este é o motivo mais provável e o mais fácil de lidar. O choro de fome é bem persistente e não costuma parar até o bebê mamar. Chupar os dedos e abrir e fechar as mãos sobre o peito são alguns outros indícios de que o bebê quer mamar.

• Dor: se um bebê sentir dor (ou se está amedrontado) costuma berrar alto. Peça ajuda médica se perceber alguns desses sinais:

- súbito grito ou choro contínuo;

- o choro piora quando você pega o bebê no colo;

- falta de interesse nas mamadas;

- diarréia e vômito;

- erupção na pele que não some quando pressionada pelo dedo;

- falta de contato visual ou estado de quietude anormal;

- choro lamuriento com febre acima de 38ºC e preguiça incomum;

- abdome inchado ou respiração difícil ou rápida;

- movimentos bruscos da cabeça, como puxadas na orelha, com febre e choro inconsolável.

• Desconforto emocional: nos primeiros dias, todo bebê precisa de conforto e da confiança proporcionada pelo colo. Se você descartou todas as possíveis causas físicas do choro do seu filho é provável que ele precise se sentir confortado. O contato físico com os pais é essencial, pois estimula o afeiçoamento e estabelece um vínculo de proteção e amor.

• Fralda suja ou molhada: embora a necessidade de troca de fralda não faça todo bebê chorar, deixar seu filho com uma fralda molhada ou suja pode irritar a pele delicada dele. Lembre-se que as assaduras ardem em contato com algum líquido, como o xixi. Por isso, trocar a fralda periodicamente e manter o bebê limpinho é um carinho essencial.

• Gases e cólicas: os gases provocam cólicas e muito mal-estar. Tente evitar esse problema da seguinte forma: enquanto o bebê mama, mantenha-o na posição mais ereta possível (ou seja, com a cabeça mais elevada do que o corpo) e, depois, faça-o soltar os gases segurando-o em pé encostado ao seu ombro, enquanto esfrega ou dá tapinhas nas costas dele. O choro de cólica tem características diferentes, em geral, começa quando o bebê tem 2 ou 3 semanas. Piora em determinados momentos, como depois do almoço e ao anoitecer. Quando chora, o bebê costuma levantar as pernas, arquear as costas ou ficar com o rosto vermelho. (Leia mais sobre cólicas)

• Calor ou frio: o bebê não consegue regular a própria temperatura e requer sua ajuda para se sentir bem. Para descobrir se está com muito calor ou frio sinta a barriga dele (e não as mãos ou os pés, como é de costume).

• Mudança de posição: o bebê pode chorar para pedir ajuda, já que não consegue mudar de posição sozinho. Mas lembre-se de que algumas posições são perigosas e podem até levar à Síndrome da Morte Súbita do Lactante pequeno. (Leia mais sobre este assunto aqui)

• Falta de um xodó: talvez seu filho tenha se apegado muito a um objeto que o reconforta, um brinquedo macio ou até um paninho. Se essa peça se perder, ele ficará chateado e irá chorar, principalmente na cama, à noite.



E lembre-se, bebês também sentem insegurança, medo, tédio, irritação, cansaço, indisposição ... Como eles manifestam tudo isso? Chorando, claro.





Como consolar um bebê que chora

• Aproxime seu rosto do bebê, de modo que ele possa vê-lo;

• Mantenha contato visual com ele, fale de um jeito suave e calmo. Não importa o que você diz, mas diga suavemente e lembre-se de repetir o nome dele com regularidade;

• Coloque uma das mãos na barriga dele, continuando com o contato visual e com a voz suave;

• Segure os braços do bebê junto ao corpo, de modo que ele não possa agitá-lo;

• Pegue-o no colo e abrace-o;

• Segure o bebê de encontro ao seu ombro, para que ele possa olhar em volta;

• Mantenha-o num ambiente tranqüilo, silencioso e sem muita luz



• Choro: sinais sonoros de um bebê

• Fome: é uma das principais causas de choro na criança. Ela se alimenta aproximadamente 7 vezes por dia, por isso sempre que a criança chorar pense em fome. Ofereça alimento e lembre-se que algumas vezes as crianças necessitam acalmar-se primeiro antes de se alimentar. Opte sempre por ambientes calmos e com pouca movimentação de pessoas.

• Fraldas molhadas: As fraldas molhadas são um incomodo para os bebês. Não só pela sensação da pele, mas também pelo odor que ela exala. Ao lado da fome este é talvez a segunda causa mais comum de choro nos bebês. Não insista em acalmar o bebê com as fraldas molhadas. Deixe-o bem confortável.

• Muito calor ou muito frio: Os bebês não tem o organismo bem adaptado para o controle da temperatura corporal. Em nós adultos, quanto a temperatura se eleva, logo começamos a suar, nos bebês esse aumento da temperatura é muito mais incomodo. Por outro lado as crianças perdem o calor com muito mais facilidade, portanto se estão mal agasalhados sentem muito mais frio. Sempre verifique se o seu filho está ou não adequadamente agasalhado.

• Cansaço: o choro pode ser um sinal de fadiga. Se o seu filho está bem alimentado e de fraldas limpas, essa pode ser a causa do choro. Posicione o bebê de maneira bem confortável e o embale com movimentos regulares no berço ou no colo. Quando o colocar no berço coloque-o envolto em algumas almofadas para que ele não se sinta muito abandonado pelo excesso de espaço.

• Gases: Bebês com gases costumam se contorcer flexionando a perna sobre o abdome. Quando isso acontecer coloque-o em posição ereta e massageie o seu abdome para auxiliar o trânsito gastrintestinal. Não se esqueça de sempre colocar o bebê para arrotar após as mamadas, tenha paciência.

Dos 12 aos 36 meses: Choro do bebé

Damos-lhe sete razões porque chora o seu bebé. Saiba acalma-lo.



Os bebés choram. Não há como evitá-lo – é uma das formas que têm para comunicar. Como o seu bebé não lhe consegue dizer simplesmente o que quer, é possível que fique preocupada e se pergunte “Como vou eu saber o que quer?”. No início pode ser difícil, mas uma grande parte do trabalho dos pais funciona em regime de tentativa e erro, pelo que não tardará a conseguir prever as suas necessidades, interpretar os sinais e secar as suas lágrimas. Veja aqui as razões mais comuns para o choro do bebé. Se o seu pequenino não parar de se queixar, percorra esta lista e é muito provável que encontre alguma dica que a ajudará.

Como posso saber por que razão o bebé está a chorar?



Tem fome

Quando aprender a reconhecer os sinais de que o bebé quer comer – fica agitado, faz ruídos e procura a mama quando o pega ao colo – será especialista em dar-lhe de comer antes sequer de ele começar a chorar a sério. Até lá, é boa ideia começar por ver se tem fome quando começa a chorar. Dar-lhe de comer pode não parar o choro de imediato, mas deixe-o continuar se ele assim o desejar. Quando tiver o estômago cheio, ele pára.

Tem a fralda suja

Alguns bebés dão imediatamente a entender quando precisam de mudar a fralda. Outros não se importam de ter a fralda suja – é quentinha e confortável. (Os pais ficam muitas vezes surpreendidos quando pegam na criança e descobrem que tem estado sentada em cima de uma fralda suja e que não deram o mínimo sinal.) De qualquer modo, é fácil de verificar e solucionar.Tem demasiado frio ou calor

Os recém-nascidos gostam de ser embrulhados e ficar quentinhos. (Geralmente, para se sentirem confortáveis, precisam de mais uma camada do que um adulto.) Por isso, se tiver frio, por exemplo, quando tira a roupa para mudar a fralda, o bebé irá manifestar o desconforto começando a chorar. Irá aprender a mudar rapidamente a fralda e a vestir logo o bebé. Cuidado para não vestir demasiada roupa, já que é menos provável que se queixe de ter demasiado calor e não irá certamente chorar com o mesmo vigor.

Quer colo

Os bebés precisam de muitos mimos. Gostam de ver as caras dos pais, ouvir as suas vozes e o bater do seu coração, e conseguem mesmo detectar o seu cheiro característico (especialmente o do leite da mãe). Depois de mamarem, arrotarem e de terem uma fralda limpa, tudo o que os bebés querem é colo. Poderá recear estar a “mimar demasiado” o bebé se lhe pegar muito ao colo mas, nas primeiras semanas de vida, isso é impossível. A necessidade de colo varia muito de bebé para bebé. Alguns requerem muita atenção, enquanto outros conseguem passar grandes períodos de tempo calmamente sentados sozinhos. Se o seu bebé gosta de muita atenção, pegue-o ao colo, transporte-o num porta-bebé ou coloque-o ao seu lado.

Já não aguenta mais

Embora os recém-nascidos necessitem de muita atenção para se desenvolverem, também podem ficar facilmente sobre-estimulados e saturados. Irá reparar que o bebé chora mais do que o habitual depois de passar um feriado com muitos familiares adoráveis ou que, no final de cada dia, tem momentos em que parece chorar sem motivo nenhum. Os recém-nascidos têm dificuldade em processar todos os estímulos que recebem – as luzes, os ruídos, passar de colo em colo – e podem sentir-se muito confusos com tanta actividade. O choro é uma forma de dizer, "Chega!" E isso acontece normalmente quando o bebé fica cansado. Leve-o para um local sossegado e deixe-o descontrair durante um bocado e depois veja se o consegue adormecer.

Não se sente bem

Se tiver acabado de dar de mamar e tiver verificado se o bebé está confortável (pode estar incomodado com coisas tão simples como um cabelo à volta de um dedo do pé ou uma etiqueta da roupa que faz comichão), mas continua a chorar, tente ver a temperatura para ter a certeza de que não está doente. O choro de um bebé doente é normalmente diferente do choro de fome ou de frustração, e em breve saberá quando “há algo de errado” no choro do bebé e que será preciso levá-lo ao médico.

Nenhuma das situações anteriores

Às vezes é possível que não consiga descobrir o que se passa. Muitos recém-nascidos passam por períodos de agitação e não são facilmente consoláveis. Estes períodos de agitação podem consistir nalguns minutos de choro ou violentos choros de cólicas. As cólicas caracterizam-se por um choro inconsolável durante pelo menos três horas por dia e pelo menos três dias por semana. Mesmo que o bebé não chore muito, estes episódios podem ser difíceis para si. Quando tudo o mais falhar, tente as sugestões apresentadas em seguida.

Não consigo perceber porque está a chorar. O que devo fazer?



Embrulhe-o e abrace-o

Os recém-nascidos gostam de se sentir tão quentes e seguros como no útero, por isso tente envolver o bebé numa manta, embalando-o ou segurando-o contra o seu ombro. Mas tenha em atenção que alguns bebés não gostam de se sentir apertados ou confinados e reagem melhor a outras formas de reconforto, como movimentos ritmados ou chuchar numa chupeta.

Deixe-o ouvir o ritmo

Os bebés estão habituados ao som do seu coração; este é outro motivo para gostarem tanto de estar ao colo encostados contra o peito. Pode também tentar colocar música suave, cantar uma canção de embalar.

Ponha-o mexer

Às vezes, o simples movimento de transportar o bebé é o suficiente para o acalmar. Noutras situações, pode ajudar embalá-lo suavemente numa cadeira ou baloiço. Pode também levá-lo a passear na rua na cadeira ou a dar uma volta de carro.

Faça massagens

A maioria dos bebés adora ser tocado, por isso uma massagem pode ser precisamente o ideal para acalmar o bebé. Não se preocupe se não conhecer os movimentos perfeitos – desde que sejam suaves e lentos, deverão ser suficientes para reconfortá-lo. Além disso, tente esfregar as costas ou a barriga do bebé, já que isso o ajuda se tiver dores causadas por gases – que podem ser o problema de alguns bebés com cólicas.

Dê-lhe alguma coisa para chuchar

Mesmo que não esteja com fome, a sucção pode estabilizar a frequência cardíaca do bebé, descontrair o estômago e acalmar os seus membros agitados. Dê-lhe uma chupeta ou um dedo a que se possa agarrar e leve-o a passear.

Cuide de si própria

Nenhum bebé alguma vez morreu a chorar, mas um bebé chorão pode constituir um grande stress para quem acaba de ser pai ou mãe. A privação de sono é permanente e podem até sentir-se inseguros sobre a sua capacidade de tomar conta deste bebé. As emoções da mãe estão ao rubro devido às alterações hormonais que está a atravessar. O pai pode não ter a certeza do papel que tem a desempenhar nos cuidados ao recém-nascido e se alguma vez terá novamente a atenção da mulher. Se acrescentarmos um bebé aos gritos a este cenário, muitos pais poderão ser invadidos por uma sensação de incompetência.

Sabendo que satisfez as necessidades do bebé e que já tentou acalmá-lo, mas que continua a chorar, chegou a hora de tomar conta de si, para que não fique demasiado exasperada:

• Pouse o bebé num local seguro e deixe-o chorar durante algum tempo.

• Telefone a um amigo ou familiar e peça conselhos.

• Faça uma pausa e peça a alguém para assumir a tarefa.

• Ponha uma música calma e distraia-se.

• Inspire profundamente.

• Lembre-se de que está tudo bem com o seu bebé e que chorar não lhe faz mal – se calhar só precisa de libertar o stress dessa forma.

• Repita para si mesma “Ela vai acabar por superar esta fase".

• O que quer que faça, não descarregue a sua frustração no bebé, abanando-o.

Felizmente, os bebés (e os pais) têm uma grande capacidade de recuperação e, de alguma forma, conseguem superar mesmo os episódios mais difíceis. Ganhe coragem com a ideia de que, quando tiver 8 a 12 semanas, o bebé já conseguirá acalmar-se melhor sozinho e grande parte de todo este choro irá terminar.



Qual é o significado do choro do seu bebê?

O desespero e a angústia passam a conviver com a mamãe que acaba de chegar da maternidade e descobre que chorar é o que seu pequeno mais sabe fazer. As dúvidas aparecem: o que ele tem? O que eu faço? Por que não pára de chorar?

Calma, mamãe, os primeiros dias são difíceis, você e o seu bebê estão se conhecendo. Mas a convivência fará você descobrir que o bebê chora de diferentes jeitos, que cada choro tem o seu significado e qual a maneira de satisfazer suas necessidades.

A primeira forma de comunicação do bebê com o mundo é o choro. É a forma mais poderosa e eficaz de conseguir chamar a atenção dos outros para o que está sentindo. O bebê chora não somente porque está com fome ou dor, chora para demonstrar que algo o incomoda.

Decifrar o choro do bebê é um desafio que mistura intuição, conhecimento e muita percepção da mamãe. Tranqüilidade é essencial. Se a mãe ficar desesperada com o choro, o bebê sentirá isso e ficará mais tenso.

Muitas vezes uma atitude tranqüilizadora como pegá-lo no colo ou conversar acalmará o bebê que pode simplesmente querer sentir-se protegido e amado.

Tenha em mente que cada bebê reage de um jeito. Não é porque o filho da sua amiga chora de forma estridente quando está com fome que seu filho necessariamente chorará da mesma forma.

Quando o choro começar, a mamãe deve pensar em quais são as necessidades do seu bebê. Fome, cólica, estar sujo ou molhado, roupa desconfortável, sono, cansaço, frio ou calor e excesso de estímulo normalmente são as opções mais prováveis do choro.

Se todos os aspectos físicos foram verificados, desconforto emocional como falta de atenção e insegurança podem ser os motivos.

Existem dicas para traduzir os tipos de choro. Lembre-se: as crianças não são iguais, portanto, o choro varia de um para o outro.

Fome: gemidos semelhantes a um apelo que não cessam com carinhos somente quando estiver satisfeito.

Dor: grito agudo seguido de um pequeno intervalo.

Fralda suja ou roupa desconfortável: choro fraquinho e estridente.

Cólica: choro agudo e intenso, normalmente leva a criança a esticar e encolher as perninhas, tremer o queixo e fazer cara de dor.

Frio ou calor: é um choro copioso de desconforto.

Excesso de estímulo ou irritação: é um choro meloso que ocorre ao fim de um dia movimentado.

Sono: criança agitada e com choro nervoso.

Emocional: choro geralmente é acompanhado de soluços, como se o pequeno estivesse meio "engasgado" de raiva ou brabeza.

Elimine cada opção até chegar em uma que acalme seu bebê. Se o choro persistir, o bebê pode estar com febre ou com alguma dor. Não ofereça remédios sem orientação médica. Procure o pediatra do seu filho e com ele descubra o que o pequeno tem.

Dicas

0 a 3 meses – é um período que a criança tem muitas cólicas. Para evitá-las, faça massagens na barriga do seu bebê e mexa suas perninhas (bicicleta) de duas a três vezes ao dia e não somente nos períodos e cólicas.

3 a 6 meses – continue somente com leite materno, além de satisfazer a necessidade de sucção de seu bebê, não sobrecarregará o seu rim e intestino com nutrientes pesados contidos em outros tipos de alimentos, evitando assim desconfortos.

6 a 12 meses – Criança não sabe o que é manha ou birra até os 12 meses. Por isso, se a criança chorar, atenda e verifique as causas do choro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário